quinta-feira, 30 de julho de 2015

Morreu o Picareta Falante. Longa Vida ao Picareta Insultante.

Guterres era o Picareta Falante. Falava, dizia coisas atrás de coisas, debitava palavras umas atrás das outras até à morte do adversário por exaustão.

Nesse aspeto era diferente de Jorge Sampaio porque este último era um verborreico vazio que falava falava mas não dizia quase nada. Se Sampaio tivesse de se pronunciar sobe uma chávena de café diria que "iria de seguida exprimir algumas considerações pessoais e intransmissíveis sobre a bebida, salientando o carácter necessariamente subjectivo da sua observação, ainda assim expressa com tolerância e a necessária atenção ao muticulturalismo e ao trajecto tão interessante como diverso do seu percurso que o trouxe de campos subtropicais até esta chávena" e depois do café em si não dizia nada. Guterres falaria do café, do preço do café, das alergias e outras intolerâncias ao café, da chávena onde se encontrava, do guardanapo. Muito diferente, portanto.

Ambos chatos, um dos quais mais inteligente, mas também ambos urbanos e civilizados. Insuportáveis mas civilizados.

António Costa é diferente. Não se cala e não diz nada que se aproveite, mas insulta constantemente.  É nisso perito. Diria que o café era uma falsificação, o ofertante era mentiroso, o importador era incompetente, a água do café era verdadeiramente roubada ao país, era preciso correr duma vez por todas  com o vendedor das máquinas.

Costa é colérico como Sócrates (disfarçava melhor porque não tinha poder) e é um falhado como o TóZero que, vendo escorregar-lhe a sorte eleitoral, foge para a frente para o radicalismo chamando nomes ao adversário. É mais esperto que o Galamba, o TóZero ou o Serginho, mas em boa verdade não chama menos nomes que o primeiro e o último (Seguro é uma pessoa mais decente, apesar da sua incompetência para o cargo a que na altura foi promovido).

Costa, quanto mais se revela como um batatoon indeciso, mais se transforma numa Picareta Insultante.

Pode ser para disfarçar. Mas não disfarça.

Sem comentários:

Enviar um comentário